Camille Alexis.

IMG_4339 (1)

Camille Alexis nasceu em Recife, mas passou a maior parte de sua vida entre Goiás e Garanhuns. Atualmente atua em dois cursos, um deles é o de Artes Visuais e o outro, Expressão Gráfica. Sua vida é constantemente voltada para o sentido da arte.

Desde os oito anos, Camille descobriu a paixão e habilidade pelos desenhos feitos à mão, técnica que carregou durante a adolescência até se expandir ao Grafite, arte que pratica desde 2013.

Hoje ela participa de alguns eventos como Festival de Inverno de Garanhuns, Espaço em Branco e Recifusion, na qual foi produtora artística na edição de 2015.

Apesar de ter a fotografia como hobby, Camille também deu início a um projeto no Instagram chamado Se Essa Rua Fosse. O projeto mostra em fotos e textos, curiosidades nos nomes de algumas ruas da cidade.

Estação Central do Recife.

Atualmente, a Estação Central do Recife é um museu que guarda acervos valiosos da antiga ferrovia. O local está aberto para visitação todos os dias, sem custo algum.

A fachada é um espetáculo! Chama a atenção pelas cores e detalhes. Na verdade, toda a arquitetura é magnífica e extremamente conservada ao estilo da época em que funcionava, diferentemente de alguns museus que sofrem o upgrade tecnológico que, ao meu ver, é desnecessário.

IMG_6277

IMG_6899

O primeiro espaço sugerido pelo passeio é a Sala Didática, onde você pode conhecer várias peças utilizadas no século passado. Esculturas, sinetas de sinalização, antigos brasões e belíssimas imagens por todo o hall. Enquanto isso, uma sala fica mostrando o tempo inteiro vídeos dos modelos de trem que estão expostos no museu (daqui a pouco a gente chega lá).

IMG_6809

IMG_6797

IMG_6811

IMG_6831

IMG_6835

IMG_6806

No andar superior encontramos mais peças e um cenário digno de novela de época, com antigos gabinetes de diretores, enormes relógios de parede, e um ambiente que te reporta à época.

IMG_6843

IMG_6869

IMG_6855

IMG_6870

IMG_6878

Por fim, a tão esperada garagem, onde ficam expostos os modelos de locomotiva. Um ponto negativo é que não nos permitiram conhecer os gigantes por dentro, só observá-los de fora (e vê-los internamente era uma das coisas que eu mais queria). Mas o passeio não fica pior por isso. Eles devem ter motivos para proibirem.

O espaço onde trens ficam guardados é magnífico. É tipo uma praça onde a ferrovia passava bem no meio dela. Imaginem como deveria ser lindo observar isso na época!

IMG_6888

IMG_6904

IMG_6918

IMG_6933

Ao sair da Estação, você encontra uma estátua linda do Luiz Gonzaga bem à frente. Não sei se por coincidência ou não, durante todo o passeio ouvimos como trilha sonora as músicas do rei do baião.

E confesso, caíram como uma luva.
Até eu fui lá tirar um som com ele! Hahaha

IMG_6291

_DSC4544

Veja mais fotos da Estação Central do Recife aqui.

Don Francesco Trattoria • NOTA 10,0.

Se você quiser apreciar a culinária tipicamente Italiana, mas sem recair nas mesmas massas e molhos industrializados, que muitas vezes resultam na padronização do sabor, indico o Dom Francesco Trattoria. Fui visitar esse restaurante que prometia ser um pedacinho da Itália dentro de Olinda, e, de fato, não saí decepcionada.

Optei por pedir o Tagliatelle ai Funghi. Feito de massa artesanal, foi servido perfeitamente al dente, oferecendo uma leve resistência à mordida. O molho torna qualquer outra guarnição desnecessária ao prato. Elaborado com funghi Porcini italiano, o “Rei dos cogumelos”, cumpre o papel a que se dispõe: unir a leveza do sabor desse ingrediente, ao mesmo tempo em que revela um gosto marcante, difícil de esquecer.

Processed with VSCOcam with s6 preset

Para sobremesa, escolhi o tradicional Tiramsù. Este promete agradar especialmente quem não é muito fã de açúcar, por ser bastante suave. Muito bem apresentado e delicioso. Só gostaria de ter sentido de forma mais acentuada o sabor do café (um dos componentes do doce). Questão de gosto.

Processed with VSCOcam with f1 preset

Além disso, o ambiente é bastante aconchegante e o atendimento excelente!

Processed with VSCOcam with e5 preset

Cinema da Fundação.

É parada obrigatória visitar o Cinema da Fundação quando estiver em Recife. Um lugar perfeito pra dar uma tranquilizada na alma e voltar no tempo.

Logo no estacionamento você já perde – ou ganha, melhor dizendo – 5 minutos só olhando o Rio Capibaribe e a Zona Norte da cidade. Como fotógrafo, até gostei dessa van parada no canto pra compor a foto. Hehehe

Processed with VSCOcam with q10 preset

Quando entra, o caminho é único: cinema ou lanchonete. E a sensação também é única, pois o local te reporta às cafeterias antigas.

Processed with VSCOcam with kk2 preset

Processed with VSCOcam with kk2 preset

Os filmes em cartaz também são peculiares, diferentes dos que estamos acostumados a encontrar. São longas de diversos países ou que simplesmente não têm apelo hollywoodiano. E isso torna o local ainda mais característico, pois quem vai assistir filmes meramente desconhecidos tem que ser muito apaixonado por cinema. E sempre está lotado.

Processed with VSCOcam with kk2 preset

A comida é uma delícia. Petiscos, drinks, doces… todos aprovadíssimos e lindos! Digo isso porque curto demais quem trata comida como produto artesanal, onde, além de gostosa, tem que estar apetitosa na vitrine pra aguçar a vontade dos clientes.

Processed with VSCOcam with q3 preset

Por fim, a arquitetura. O visual retrô permanece em todos os lugares e é bacana ver um local que preserva isso até hoje.

Processed with VSCOcam with c5 preset

Processed with VSCOcam with kk2 preset

Processed with VSCOcam with kk2 preset

No tempo em que degustava alguns itens do cardápio, conheci um cinéfilo que me disse: “Sabe o motivo daqui ser tão legal? Porque as coisas antigas passam mais segurança. E as pessoas gostam disso, consciente ou inconscientemente. Hoje em dia, nada mais é feito pra durar (com algumas exceções, claro).”

Concordei em gênero, número e grau. E você?

Igreja do Carmo, Ladeira da Misericórdia, Alto da Sé e Igreja de São Bento.

Antes mesmo de chegar em Olinda, já somos convidados a entrar. A arquitetura vai encantando ainda na estrada e o primeiro grande monumento que apareceu na nossa frente foi a Igreja do Carmo. Gente, ela parece de brinquedo de tão perfeitinha que é, mas aos poucos você vai acreditando que é de verdade. Hehe

IMG_6474_2

E logo de início você já avista as famosas ladeiras de Olinda. As ruas são apertadas e repletas de casinhas coloridas, como que desenhadas/pintadas à mão. Aconselhamos subir andando, pra aproveitar cada coisa que aparecer pelo caminho (seja restaurantes, casa de bonecos, etc).

IMG_6518

IMG_6512-2

Quem vai pra Olinda não pode deixar de visitar o Alto da Sé. Seria como jogar futebol sem a bola. Mas pra chegar lá é preciso encarar a tão temida Ladeira da Misericórdia (risadas maléficas)! Seja a pé ou de carro, ela vai te deixar cansado ou tenso.

IMG_6540

IMG_6702

Decidimos ir a pé e parecia que não teria fim. Mas quando você finalmente terminou, uma vista impagável de Olinda e Recife compensou todo o esforço da subida. É como se você chegasse a uma nova cidadela; muito legal mesmo.

IMG_6002

IMG_6570

Na Sé você encontra a Igreja da Misericórdia (nome super justo pra quem chega com a língua no chão); o Convento de São Francisco, que fizemos questão de entrar pra fotografar a belezura e delicadeza que é lá dentro; o Largo do Amparo, conhecido por ser residência do cantor Alceu Valença; alguns restaurantes e o Ecological Artesanado, que consiste num mercado de produtos artesanais fofos e muito bem feitos. E tudo isso é só no comecinho, pós ladeira.

IMG_6553

IMG_6699

IMG_4596

IMG_4615

IMG_4139_2

Mais alguns passos e encontramos a praça de alimentação, com a famosa Tapioca da Sé e vários outros petiscos de dar água na boca (clique na foto panorâmica para ampliá-la). Comemos bastante, claro, e depois seguimos para o elevador panorâmico. Lá de cima a vista é belíssima e a brisa é calma. A vontade que dá é de sentar, olhar pro céu e nunca mais sair. Mas o limite de permanência é de 15 minutos por pessoa. #chateado

FullSizeRender (1)

IMG_6669

IMG_4189

Ao descer, só nos restou conhecer o Mercado de Artesanato, que por sinal tem uma varandinha com uma vista de tirar o fôlego. Tire suas próprias conclusões.

IMG_6625

IMG_6630

Estávamos imensamente satisfeitos com nosso primeiro dia em Olinda. Pegamos o carro e descemos ansiosos pra descarregarmos as câmeras. No caminho de volta, eis que surge a Igreja de São Bento. Imediatamente gritamos “PARE O CARRO! Temos que registrar isso“. Era mais uma construção histórica intocável que estava à nossa frente.

IMG_4242_2

IMG_5996

Visitar Olinda é um passeio super barato e qualquer foto que tirar pode se tornar um cartão postal. Quem não quiser gastar com comida ou comprar alguma coisa, terá um custo de apenas 5 reais pra ver a bela vista do elevador.

E a nossa dica é: se você é apaixonado pela natureza, como nós, procure ir a partir das 15h. Há uma grande possibilidade de ganhar um pôr do sol inesquecível de presente.

Veja mais fotos desse dia aqui.